Início

1.3 Vertentes da Reconceituação, ruptura com o conservadorismo e a apropriação da teoria social de Marx

9 Comentários

Segundo Yazbek, as 3 principais vertentes que emergiram no bojo do Movimento de Reconceituação são:

  1. A vertente modernizadora caracterizada pela incorporação de abordagens funcionalistas, estruturalistas e mais tarde sistêmicas (matriz positivista), voltadas a uma modernização conservadora e melhoria do sitema pela mediação do desenvolvimento social e do enfrentamento da marginalidade e da pobreza na perspectiva de integração da sociedade. (…) Configuram um projeto renovador tecnocrático fundado na busca da eficácia e eficiência para nortear a produção do conhecimento e a intervenção profissional;
  2. A fenomenologia, que emerge como metodologia dialógica, que, apropriando-se da visão de pessoa e comunidade, dirige-se ao vivido humano, aos sujeitos em suas vivências, atribuindo o Serviço Social com a tarefa de auxiliar a abertura desse sujeito existente, singular em relação aos outros e ao mundo de pessoas. Valoriza o diálogo e a transformação das pessoas, sendo analisada por José Paulo Netto como uma reatualização do conservadorismo inicial da profissão;
  3. A vertente marxista que remete a profissão à consciência de sua inserção na sociedade de classes e que no Brasil vai configurar-se, em um primeiro momento, como uma aproximação ao marxismo sem o recurso ao pensamento de Marx.

É claro que a apropriação da Teoria Social de Marx não se deu de forma unilateral e adialógica. Foi resultado de imensos e desgastantes debates e disputas internas e externas nos espaços de organização acadêmica e profissional do Serviço Social. Internamente, a apropriação da vertente marxista teve várias divergências também, quer pelas abordagens reducionistas dos marxismos de manual, quer pelo cientificismo e formalismo metodológico (estruturalista) presente no “marxismo” althusseriano ( referência ao filosofo francês cuja leitura da obra de Marx vai influenciar a proposta marxista do Serviço Social nos anos 60/70 e particularmente o Método B.H), que segundo Yazbek, foi um “marxismo equivocado que recusou a via institucional e as determinações sócio-históricas da profissão.

É com esse referencial que a profissão questiona a sua prática institucional e seus objetivos de adaptação social ao mesmo tempo que se aproxima dos Movimentos Sociais e das organizações da classe trabalhadora. Tem-se o início da vertente comprometida com a ruptura com o Serviço Social tradicional e conservador.

1.2 Anos 60: O movimento de reconceituação

Deixe um comentário

Nos anos 60 se tem novas configurações que caracterizam a expansão do capitalismo mundial – impondo a América Latina um estilo de desenvolvimento excludente e subordinado. Diante do crescimento da desigualdade social e da concentração de Capital, o Serviço Social assume certas inquietações e questionamentos que sua visão  tradicional e conservadora de mundo não consegue responder.

Diante disso, um amplo movimento de reformulações teóricas, políticas, metodológicas e operativas surgem no arcabouço do Serviço Social latino-americano, impondo uma necessidade de construção de um novo projeto profissional – comprometido com as demandas da classe trabalhadora. Segundo Yazbek,

“é no bojo deste movimento, de questionamentos à profissão, não homogênios e em conformidade com as realidades de cada país, que a interlocução com o marxismo vai configurar para o serviço social latino-americano a apropriação de outra matriz teórica: A teoria social de Marx”

No âmbito do movimento de reconceituação se confrontaram diversas tendências – resultantes de conjunturas sociais particulares, como as ditaduras e as impossibilidades de contestações políticas.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 83 outros seguidores